MMO FTW, multiplayer de verdade

julho 30, 2010 at 2:15 pm 3 comentários

por Philip Mangione

Quem nunca entrou em campo numa partida oficial de futebol acha que é só correr atrás da bola e chutar pro gol. Quem nunca leu um bom livro de ficção acha que é perda de tempo, um monte de bla bla bla sem fundamento. Quando um jogo dura “só” 6 horas, os moleques mimados reclamam que os desenvolvedores foram “preguiçosos”. Afinal fazer um jogo é só modelar os personagens e cenários e fazê-los se mexerem né.

Quem nunca jogou de verdade um bom MMO também tem uma visão simplista, acha que é só “matar 2000 goblins” depois “matar 30 dragões”, “coletar 500 itens”, subir de level, depois continuar o ciclo “matar mais 1000 goblins do tipo 2″, “matar 30 dragões dourados”… ele acredita que um jogador de MMO é recluso, solitário, extremo no nerd, problemático. Acha que deve ficar longe do MMO como se fosse uma praga.

O pior é que esse povo geralmente acha muito legal e super interativo ter “uma pá de amigo na Live” quando joga um mata-mata casual de meia hora no Halo, ou uma partida de “Wing Lever” contra um conhecido distante qualquer que nunca conversa com ele, só durante essas partidinhas mínimas, afinal os dois entendem DEMAIS de futebol, muito mais que os idiotas que estãojogando profissionalmente por aí. Esses jogadores acreditam ser “parte de uma comunidade incrível de amigos”. Só porque caíram no conto da Live e pagam dinheiro por isso.

Se alguém paga uma grana pra fazer parte do Xbox Live Social Club tudo bem, vale a pena, segundo eles. Se paga pra fazer parte de um mundo extremamente elaborado e vivo, um MMO, aí é “trouxa”. Ha.

Não vou me aprofundar muito, mas só dar uma esclarecida praqueles que nunca tiveram uma real experiência com um MMO.

Diferentes jogadores se complementam

Jogando de verdade, os diferentes jogadores se complementam

Você loga no jogo. Um personagem fictício que se materializa em um mundo X. Tem uma lista com missões “matar 400 orcs da floresta”, “coletar 100 cabeças de lobos raivosos” etc. “HÁ! Falei!” — sim, falou. Agora continue lendo.

O jogador desmiolado de deathmatch vê essa lista e sai caçando orcs na floresta. Mata 120, cansa, sai do jogo e nunca mais volta. Fica na Live. Ainda bem.

Uma pessoa mais disposta a se divertir (o propósito de um game né) entra no chat dentro do MMO e declara “preciso de 400 orcs da floresta”. Outro jogador que utiliza itens dos orcs para fazer armaduras, pois tem proficiência nisso, se propõe a ajudar. Ele vai aproveitar para conseguir esses itens mais rapidamente, produzir as armaduras e colocá-las à venda no sistema de leilão dentro do mundo do jogo. Outra terceira pessoa se propõe a ajudar porque tem uma missão “coletar 40 frutinhas vermelhas”, que podem ser encontradas na mesma floresta.

O grupo vai para a floresta, enquanto eliminam durante uns 30 minutos os orcs. Eles coordenam entre si as diversas habilidades de seus personagens para seguirem em frente. Um tem poções de cura, outro tem ataques que chamam a atenção do inimigo enquanto o terceiro coleta as frutinhas. Cada um tem diversas maneiras de ajudar o grupo, cada um joga à sua maneira. Eles não têm 3, 4 ou 5 armas para escolherem, com pequenas variações. Cada um tem dezenas de diferentes habilidades que podem fazer as batalhas rolarem de imprevisíveis maneiras diferentes, dependendo de como os jogadores pensam e reagem uns às maneiras de jogar dos outros.
Enquanto eles estão lutando, um deles percebe que sua armadura não é tão boa contra lobos, e pede no chat se alguém de sua guilda faria uma armadura para ele. alguém responde que pode fazer, mas precisaria de X Y e Z materiais. O primeiro jogador, que precisa da armadura, tem X Y e W, não Z. Aproveita uma pausa nas batalhas na floresta para perguntar se um dos outros dois tem Z, e assim ele troca W por Z. Continuam a batalha.
A espada que ele está utilizando foi forjada pelo terceiro jogador há 2 meses, e passou por mãos de conhecidos em comum até chegar a ele, mas ele não sabe. Só acha que é uma espada muito boa.
Depois de terminarem as missões, um deles desbanda do grupo pois precisa colocar os filhos para dormir, na vida real, mas os outros dois trocam informações de um boss que precisam matar, chamam uma pessoa da guilda de um deles para ajudar, e vão para lá. No caminho, páram em uma cidade para um deles reparar seus equipamentos enquanto o outro forja as novas armaduras e as põe à venda. Ambos checam a caixa de correio e recebem e respondem mensagens.

Pode-se desenvolver uma profissão no jogo

Pode-se criar itens raros e vendê-los ou trocá-los no mercado fictício ingame

O jogador passa a noite toda interagindo socialmente com outros. Ele vivencia situações únicas que só ocorrem com ele naquele exato momento, como na vida real.
Mas diferente da vida real, dentro do MMO ele pode ser ele mesmo. Se comporta sem repressão de familiares, colegas de trabalho, ou mesmo aparência pessoal ou estado social. Dentro do MMO ele pode ser rico, se desejar, ou não, se não se importar com isso.

Alguém poderia escrever um livro inteiro explicando as complexidades e surpresas de um mundo desses e as maneiras infinitas  de se vivenciá-las na sociedade virtual. Eu não tenho saco, mas alguém poderia escrever.

Claro que existem os doentes e problemáticos que não têm limites e jogam MMO até morrer. Mas isso é em tudo, na vida virtual e real: quem come até a obesidade mórbida, quem se mata tirando racha de carro, quem toma drogas ou bebe até ser internado.

Eu mesmo tenho um amigo que passou semanas jogando Team Fortress 2 com o objetivo de conseguir 1000 backstabs. É uma realização pessoal pra ele, e aí? Não foi num MMO, foi no jogo de time FPS mais hypado ultimamente.

Ah antes que me esqueça: não sou recluso, não tenho (muitos) problemas, não moro no porão de minha avó e tenho namorada sim :) Além disso adoro games de tiro, joguei vários team-based por anos e continuo gostando. Só que eu sei que isso não é o ápice do multiplayer, e vim esclarecer isso.

Se você quiser entender o que é multiplayer de verdade, jogue um bom MMO! Só não se esqueça de comer e dormir de vez em quando.

Classes inusitadas aumentam a fantasia

Alguns MMOs aumentam a diversão trazendo classes e habilidades nada convencionais

About these ads

Entry filed under: Game e Cultura, Jogue Agora!, Matéria. Tags: .

Tutorial: jogando fliperama on-line no Supercade Especial: jogos não-licenciados – Parte 8

3 Comentários Add your own

  • 1. Cesar  |  agosto 2, 2010 às 2:10 pm

    Hahaha rachei de rir com o texto, e concordo com os pontos tambem rs

    Resposta
  • 2. Krycov  |  agosto 6, 2010 às 3:51 pm

    Massa seu Post Philip, os MMO como qualquer outro jg tm seus pós e contras, Na minh humilde opinão os pós: a interatividade com outros gamers e a acissibilidade dos jgs; os contra: em certo ponto do jg, o desrolar fica muito lento, vc tm q marretar muito pra conseguir pouca coisa, e qnd eu falo muito é mais de duas horas, e hj em dia passar mais de duas horas em algo q nao rende é f… outra coisa q eu vejo, é q muitos jgs são repetitivos nos seus esquemas de jg, é sempre marreta passa de lv… evolui atributos e skills para mudar de classe e consegur mais atributos bla bla blafora akela gana alucinada pra conseguir os intes raros cabulosissimos do jg.. outra desvantagem na minha opinião eh vc pagar pra jg… tipo não eh algo fisico… tenho amigos q jgrm anos de Ragnarok Online… depois parou… sobrou oq? nada… Por isso dou preferencia para os Free… Não serves pirata… mas os Free mesmo.. jgw uma quantidade consideravel de MMO diria q uns bom outros.. bonizinhos… Ai vai a minha Lista
    Ragnarok Online (jguei desde o inicio na faze beta)
    The Sword of the New World (o melhor q eu jgi na minha opinião, vc jg com 3 personagens de uma vez e é Free, o jg tm de chamativo o estilo vitoriano e a OST do jg, muito bonita)
    Atlantida OnLine (esse tambem é muito interessante, vc jg num esquema tipo tatcs, joguei pouco mas eh muito bonito)
    Florensia Online (estilo mais Infantom apesar de usar a mecan padrão de evolução, tm outro lance no jg q vc controla um caravela e enfrentas criaturas do mar, piratas etc, achei lento mas nao é ruim não)
    Dofus (tambem estilo tatics, se não me engano feito em Flash, a arte do jg é bastante interessante)
    Aion Online (estilo padrão, mas extremante bonito graficamente, tm q ter uma maquina boa pra rodar a OST tmbm é boa, diz a lenda q foi o MMORPG q saiu pra bater de frente com o WoW )
    Pox Nora (esse tmbm muito interessante, principalemte para Fans de Hero Clix e Magik Knight, estilo jg de estrategia com Miniaturas, muito bom também)
    é isso ai

    Fuii

    Resposta
  • 3. Kaka  |  agosto 8, 2010 às 9:21 pm

    Muito bom teu post, Philip!
    Eu me lembro que, quando eu jogava MMORPGs, a pergunta mais frequente que eu ouvia dos não jogadores era: “O que você tá ganhando com isso?” Como se o jogo tivesse que ser um meio para algo, e não o fim em si. Será que nunca ouviram falar em hobby?
    Apesar de o objetivo em si ser apenas se divertir e passar o tempo, no fim a gente acaba ganhando muito ao jogar. Como você mesmo citou em teu texto, uma das cousas básicas que se aprende é trabalhar em equipe.
    Mas, infelizmente, sempre tem aqueles que exageram na dose, tem os trolls, etc., que sujam a imagem de quem joga, criando aquele estereótipo do jogador lifeless. ;/

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


warpfeed

WarpStats

  • 513,972 hits

Warptwitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: