Como me sinto com relação aos controles de movimento

abril 7, 2010 at 9:56 am 12 comentários

Por Barry Burton

E pensar que fui um dos entusiastas do Revolution.

‘Nuff said.

Entry filed under: Galhofas, Mercado e Indústria, Random. Tags: , , , , , .

Freekscape: jogo brasileiro na PSN! Pega os trem que Marvel vs Capcom 3 invém

12 Comentários Add your own

  • 1. Toe Jam  |  abril 7, 2010 às 11:48 am

    Oi Barry,

    este vídeo é exatamente o oposto do que sinto em relação aos controles de movimento. A bem da verdade, o que perdi a paciência foi com jogos que precisam de 60+ horas de jogos, textos e CG que não acabam mais, com um pretenso “storyline” que não convence.

    Mas acredito que se há diversidade é porque há pessoas que se agradam mais de um forma do que de outra. O interessante é que as pessoas que curtem o “modo antigo” tem uma aversão, um ódio declarado ao novo modo que não entendo. Se não gosta de alguma coisa, é só evitar e pronto! :) (Obs.: a maioria das pessoas não jogam deste jeito estabanado…)

    Estou enrolado agora mas estou preparando um texto justamente sobre a chegada do “movimento” aos novos consoles.

    Responder
  • 2. Cesar  |  abril 7, 2010 às 12:18 pm

    Olá,

    Muito bacana essa discussão e concordo com o Toe. O que me chateia é que um pessoal está repreendendo DEMAIS este lance do controle de movimento, e no universo dos games você não pode matar uma idéia que propõe coisas diferentes e inovadoras.

    Se vai funcionar ou não, se vai cair nas graças dos gamers, é outra história, mas ter todas essas possibilidades é incrível e pode abrir caminhos para outras boas surpresas neste mercado.

    Responder
  • 3. Lonios  |  abril 7, 2010 às 7:51 pm

    Nada contra os jogos com controles de movimento,
    acho chato é joga-los sozinho.

    Mas tbm é desnecessário fazer toneladas de jogos com controles de movimento só pq é ”moda” assim como andam fazendo com os filmes 3D ¬¬

    Responder
  • 4. Rafael "Barry" Ventura  |  abril 7, 2010 às 11:02 pm

    Antes de mais nada, lembrem-se: o Mega64 é um grupo de humor.

    Dito isso, algumas coisas me incomodam sim nesses controles de movimento. Como a promessa da revolução.

    Quando o Wii foi anunciado, eu era um dos que mais o defendiam. Cheguei a sonhar com as possibilidades dos novos controle, assisti àquele vídeo inicial trocentas vezes e mostrei pra todo mundo que podia. O maxi tá de prova. Mas…

    Nunca chegou essa revolução pretendida. Quase quatro anos já, e só temos coleções de minigames. Os jogos que fazem melhor uso do controle são o WarioWare, Zack and Wiki e Wii Sports (nem o Resort faz). Todos da primeira geração do Wii.

    O resto dos jogos ou utiliza os controles parcamente, como Zelda, Metroid e No More Heroes, ou usa mal mesmo, como os Sonic e Mario Kart. Nem pra FPS esse controle serviu direito.

    O Wii pra mim é como um jogo de tabuleiro super tecnológico que eu tiro do armário quando tem visita em casa. Nos divertimos por algumas horas e pronto.

    O Move e o Natal vão ser a mesma coisa, anotem. E o Natal vai ser mais gambiarrado e não-responsivo ainda.

    Controles de movimento estão atraindo novos jogadores? Sim. Pra quem procura um brinquedo e diversão rápida, é perfeito. É engraçado e descontraído.

    Vai substituir o bom e velho controle cheio de botões? Não. Eu acredito que, no máximo, vão virar duas interfaces de usuário diferentes, coexistindo.

    Responder
  • 5. maxi2099  |  abril 8, 2010 às 12:21 am

    É por isso que eu digo, o Wii é o console ideal para você ir jogar na casa daquele seu colega.
    Eu acho que o Natal vai ser uma coisa incrível, porém que muito provavelmente vai ajudar a Microsoft a sair da briga de consoles porque, uma vez que será um acessório, não vai vender nada e nem fazer o 360 vender mais. Se fosse o controle de um Xbox 720 aí sim teria grandes chances de pegar o público do Wii para ele.
    E é por isso que eu também digo, quando eu conseguir jogar alguma coisa do nível de Marvel vs Capcom 2 ou Blazblue em um controle assim igual eu jogo no meu controle arcade aí sim eu vou admitir que ele está obsoleto.

    Responder
  • 6. Diego Nunes  |  abril 9, 2010 às 8:19 pm

    Pra mim o video zoa mais pessoas de grande complexão física.

    “o que perdi a paciência foi com jogos que precisam de 60+ horas de jogos, textos e CG que não acabam mais, com um pretenso “storyline” que não convence.”

    Cara, concordo inteiramente com você, se não me engano esse tipo de jogo já tem até um rótulo: Skinner. E não é só JRPG não. Qualquer jogo de qualquer gênero pode ser um Skinner. Mas é bem fácil descobrir. Um skinner é aquele que te faz jogar por jogar. Se você tiver jogando um jogo e esperando a parte divertida, já sabe do que eu estou falando.

    Vocês deviam se preocupar mais com os achievements do que com controles de movimento.

    Responder
    • 7. Rafael "Barry" Ventura  |  abril 15, 2010 às 3:27 pm

      Sinceramente, não conheço nenhum jogador que liga pra achievments… eu mesmo nunca entendi a utilidade deles.

      Responder
      • 8. Diego Nunes  |  abril 20, 2010 às 2:20 am

        Sorte sua

  • 9. Flaviometal  |  abril 15, 2010 às 11:10 am

    Mas Barry, o problema não são os movimentos, e sim os jogos! Creio que na próxima geração, quando todos enjoarem dos minigames, e os jogadores “casuais” virarem “hardcore”, os party games serão praticamente extintos. E poxa, você não jogou Metroid Prime 3 ou RE4 no Wii? Os controles ficaram perfeitos em ambos os jogos, provando que quando se quer, dá pra fazer coisa boa. Mas o que me deixou mais triste nessa onde toda dos controles de movimento é a prova do ser humano hipócrita caixista e sonysta que metia a boca no Wii e agora diz que o deles vai ser melhor e vai salvar a indústria.

    Responder
    • 10. Rafael "Barry" Ventura  |  abril 15, 2010 às 3:48 pm

      Concordo em partes, Flávio. Pessoalmente, acredito que não há essa distinção entre jogadores casuais e hardcore que muitos apregoam. Há quem goste de jogar mais, e quem goste de jogar menos, como sempre foi.

      Tem gente que gosta de gastar 150 horas em Final Fantasy Tactics, sabendo que fez só 2/3 do jogo, tem gente que prefere jogar Sonic repetidas vezes. Tem gente que gosta de abrir todos os carros do Gran Turismo, tem gente que prefere partidas rápidas de Smash Bros.

      Acho dificílimo separar jogadores em arquétipos, ou mesmo jogos.

      Mas o problema que vejo em controles de movimento é que os considero extremamente desnecessários, os famosos “gimmicks”. Me dá muito mais a impressão que eles vendem por marketing do que por adicionar uma camada nova na maneira de se jogar.

      RE4 e MP3, que você citou. Eram perfeitamente jogáveis nos controles normais, não? Eles ficaram bons no wiimote porque usam predominantemente o pointer, funcionando como a Light Gun do NES e Master System, algo nada revolucionário. O controle de movimento em si, acelerômetro e tudo mais, quase não é usado.

      Acho que sacudir o controle pra pegar cascos de tartaruga no New Mario Wii é muito menos intuitivo do que segurar o botão de corrida.

      Quase todos os jogos que usam o movimento do controle soam forçados, e por vezes bugados. São ruins de se executar. Grande parte das coisas poderia ser feita apertando-se um botão.

      E continuo achando que o Move e o Natal vão fazer as mesmas coisas mais ou menos que o Wiimote faz. Mas pelo menos não vou ser obrigado a usá-los nos jogos que gosto.

      Não sou contra coisas diferentes, pois adoro o nintendo DS, por exemplo. Só que a touch screen é muitíssimo bem executada, e não atrapalha os jogos nem os jogadores.

      Sobre as próximas gerações, acredito que na geração que vem agora ainda teremos os controles de movimento, mas na seguinte ninguém vai querer saber deles.

      Responder
  • 11. Você já podia ter jogado o Kinect… em 2005 «  |  novembro 5, 2010 às 10:00 am

    […] Nem vou questionar a qualidade dos jogos, já que não joguei nenhum (apesar de que vocês sabem qual é minha opinião – mais clara nos comentários […]

    Responder
  • 12. DoubleJump » Blog Archive » O poder da mídia e do marketing  |  novembro 9, 2010 às 11:35 am

    […] Nem vou questionar a qualidade dos jogos, já que não joguei nenhum (apesar de que vocês sabem qual é minha opinião – mais clara nos comentários […]

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


warpfeed

WarpStats

  • 552,055 hits

Warptwitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: